segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Evgen Bavcar

Todos os fotógrafos buscam aquele um décimo de segundo de escuridão quando o obturador da câmera dispara. Evgen Bavcar, filósofo, fotógrafo, cego desde os 12 anos de idade, faz o caminho inverso. Bavcar constrói imagens através de uma relação verbal com quem enxerga. Através das palavras ele vai vai tateando tudo o que será fotografado, assim, ao tocar o objeto, o universo ao seu redor torna-se parte integrante do seu próprio mundo. Depois insere figuras, numa aproximação entre as linguagens artísticas. É possível ver um pouco de sua escuridão, não existe o meio tom, só o preto e o branco.

4 comentários:

Luis disse...

Oi,

Esta clara para mim a imagem de um gato, aninhado, sobre o telhado.

Senti falta de uma foto, que vi ontem...era meio sinistra...foi feita em um mangue...

BEijos

Vicky disse...

Oi Mag,tudo bom???

De cara vi o gato ( da Alice???) .Até o rabo ,é rajado como o dele.
Só não entendi ,como foi feita essa foto. Isso é pintura,né!?!

Beijos,

Vicky.

Meg disse...

Oi Luis,

Meu amigo, ainda bem que você viu um gato porque o fotógrafo desenhou um gato!

Quanto a foto feita em um mangue (que só você viu), estou aguardando o curriculum do fotógrafo, não sei se ele é da Magnum Photos, se já foi correspondente internacional, etc, e tal.
beijos

Meg disse...

Oi Vicky,

Tudo bem?
É uma foto, o Bavcar desenha por cima da cópia em papel e transforma a imagem fotográfica em uma pintura. É assim interage com o seu trabalho, ele se apropria daquilo que não consegue ver.
Beijos