terça-feira, 12 de agosto de 2008

Antoine D'Agata

Antoine D'Agata, fotógrafo francês, estudou no International Centre for Photography em Nova York, em 1990. O primeiro livro Mala Noche (foto aqui reproduzida) foi publicado em 1998. Com a publicação do segundo livro Hometown, em 2001, D'Agata recebe o Prêmio Niépce. Durante sua estada em Nova Iorque, trabalhou como assistente para Magnum Photos. Mas foi através da exposição 1001 Nuits, que suas fotos da noite, em movimento único, sensual, brutal, às vezes até chocante, atraíram a atenção e em 2004, ele passa a fazer parte da agência. Neste mesmo ano, seu primeiro curta metragem Le Ventre du Monde (The World's Belly), faz um enorme sucesso e essa experiência o leva a produzir o longa Aka Ana, filmado em 2006 em Tóquio. A fotografia de Antoine D'Agata, ao mesmo tempo em que explora o tradicional fotojornalismo, sua técnica incontestável e objetiva, converte-se em aspectos capazes de surpreender a todos. Ele fotografa os locais onde acredita que a vida pulse.
Foto: © Antoine D'Agata

26 comentários:

vertigem disse...

antoine é timido pra caramba, gagueja e roi unhas ! ja foi pedreiro
( a foto da capa do livro "vortex" é ele, todo branco de poeira, saindo de uma obra )


tenho mil coisas pra contar sobre esse cara que amo de pedra !

vertigem disse...

primeira vez que encontrei antoine ( ele estava voltando de nyc e veio me mostrar seu book) eu tive um choque tamanho que nao conseguia falar...mostrou-me o projeto "autour de la mediterrannée", fotos de prostitutas feitas em varios portos do mediterraneo ( ele nasceu num deles, marseille)

cara, nesse encontro tive uma revelaçao que abalou minhas certezas sobre fotografia ! entao, eu tremia, antoine tremia e a gente nao parava de rir nervosamente, eu por te-lo conhecido, ele talvez por vergonha de minha atitude completamente atipica ! hahahah

bem, antoine é uma pessoa conhecida, nao vou poder contar as melhores e mais privadas anedotas,
mas saiba que até hoje trabalhamos juntos ! ele quase nao fotografa mais, anda muito envolvido com cinema, mas pra mim ele aceita qualquer assignement ! tou me gabando sim senhora ! :-))

Meg disse...

Vertigem,

Ele esteve em São Paulo, para a projeção de 1001 Nuits. Depois me lembrei de ter visto uma foto dele(casal) numa revista.
Ele usa essa imagem, todo branco de poeira, como a foto de apresentação no portfolio da Magnum (muito bom!).
Então... vamos às histórias.

vertigem disse...

uma correçao : desde 1999, quando christian caujolle o convidou para ser staff da agence vu, antoine era conhecido, curtido e ja trabalhava bastante ! em 2004, ele ja tava careca de agradar ( e desagradar, conheço gente que nao suporta seu shoot) gregos e troianos !

Meg disse...

Ele ficou um bom tempo sem fotografar?

Meg disse...

Vertigem,

Esquece o comentário anterior! estou misturando os posts que estão em andamento.

vertigem disse...

ele esteve em sampa algumas vezes, a ultima ano passado..passeou por lugares absurdos, foi roubado, tomou muita porrada e droga e numa coletiva organizada pela fnac, disse que era homeless e nao acreditava em deuses nem dinheiro ! pessoal chocado e ele la guaguejando loucuras ! kkk

meg, esse "vamos às historias" me travou aqui...((

Meg disse...

Eu adoro essas histórias.
Por que travou?

Meg disse...

Li que ele recusou um primeiro convite da agência Magnum, depois acabou aceitando questões de necessidade.
1001 Nuits é uma série?

vertigem disse...

ah, antoine nao aceitou integrar a magnum por necessidade ! foi por fraqueza mesmo...:-))

Meg disse...

Oi Vertigem,

Não conheço o trabalho do Ackerman. A agência VU, sim, visitei uma vez para conhecer as fotos da Isabel Munoz.
Gosto muito da agência VII Photo.
Você conhece o Gary Knight? Ele esteve aqui, mas não consegui na net as tais fotografias.

A Magnum pode até ser uma "seita", mas ainda é a melhor agência do mundo. Tem história pra contar e foi copiada por todas as outras.

O trabalho do Antoine é chocante. Se as fotos fossem feitas em foco, as pessoas retratadas estariam vulneráveis, o movimento transfere toda carga para quem vê as imagens.
As histórias não precisam ser pessoais, acho interessante saber mais sobre os ensaios.
Hugo Denizart passou dois anos fotografando prostitutas da Vila Mimosa e praticamente morou na Colônia Juliano Moreira. São trabalhos impressionantes, justamente porque não são simplesmente "retratos", não há personagens, são verdadeiras denúncias.
No Brasil, ao contrário na Europa, o contrato de uso de direito de imagem é obrigatório. Esse fato inviabiliza os documentários.

vertigem disse...

alo meg ! tou soterrada de trampo aqui...depois continuamos a conversa ta ! beijos

Clara disse...

Olá Meg,

obrigada pela tua visita ao meu espçao e pelas palavras que lá deixaste.

Eu também gostei, e muito, de conhecer o teu blog. Partilhamos a mesma paixão pela imagem. Voltarei mais vezes a este teu espaço.

Beijinhos

Meg disse...

Oi Clara,

Seja bem vinda! Muito simpático de sua parte a visita.
Obrigada

Beijos

vertigem disse...

entao cara delirante...
estamos misturando tudo, mas assim que é gostoso ! se nao conhecia michael ackerman, faz o esforço de se familiarizar com seu trabalho...ele e antoine, sao "olhares" que propoe outra interpretaçao da realidade...conheço alguns caras dessa dimensao, contemplar suas fotos nao tem preço !

o gary knight, claro ! mas meu grande amigo da seven, e a pessoa com quem tenho mais afinidades visuais é jim ( james nachtwey )!
tenho um portrait dele no bureau, aquele olhar doce e marcado por tudo que ele ja fotografou e a eterna camisa branca...quando tenho condiçoes ( grana, claro)e que a time magazine nao o esta alugando, é pra ele que dou assignements ! ou pra francesco zizzola, ou pra paolo pelegrin ou pra antoine, se nao esta pirado em algum bas fond em tokyo ou na guatemala...nessa ordem ! kkk

da seven, nao curto muito o christopher morris, mas ron haviv é um puta olho ! ano passado perdemos alexandra boulat....:((

vertigem disse...

Hugo Denizart ? vou procurar !

rimou...
e como ja é quase meia noite
vou nessa
pra nao me transformar
em...
abobora !!

Meg disse...

Obrigada!
Até amanhã... com mais um petite seconde d'éternité.

beijos

Meg disse...

Oi Vertigem,

Obrigada pelos links, vou delirar mais tarde, com calma...
Tenho várias perguntas: a respeito do seu trabalho, os novos fotógrafos, uma nova linguagem, ou esse "saber olhar", mas hoje estou super enrolada. Mil desculpas!
Beijos

Meg disse...

Oi Vertigem,

Então, a respeito de seu trabalho. Você seleciona os fotógrafos de acordo com a pauta? As fotos publicadas são os ensaios do portfólio ou o fotógrafo produz novas imagens?

vertigem disse...

a situaçao da imprensa mudou muito nos ultimos anos ! ha uma real crise economica decorrente do confronto com internet : quem vai comprar "papel" quando pode aceder a news online ( todo jornal ou revista tem seu website)ou melhor, aos blogs,a possibilidade de outros pontos de vista ?
muitas publicaçoes faliram, as maiores resistem à custa de muita reduçao de budget, certamente ha menos dinheiro e as produçoes sao raras !
ha alguns anos, quando precisava ilustrar um conflito ou fazer um portrait de alguma personalidade, eu escolhia o fotografo que quizesse ( ja desloquei jim de nyc à beyrouth )e mandava onde fosse preciso !
atualmente, so produzo quando nao ha outra possibilidade ! ha agencias excelentes com vasto network de correspondentes ! a reuters, afp ou ap, pra citar so as mais importantes podem suprir quase toda procura de imagens pra ilustrar qualquer artigo !os picture editor tem login na maioria de sites de agencias, de news, de ilustraçao, etc....
posso editar o que quiser on line, posso tbm reservar reportagens inteiras pra minha revista pelo tempo que quiser ! isso custa bem mais barato que pagar viagem, hospedagem, despesas e publicaçao de qq fotografo, com exclusividade pra mim...

minha profissao esta mudando, muito...

Meg disse...

A mudança na cultura fotográfica é grande. A migração para o digital, a pressão do cotidiano, tempo, tempo, tempo ...

Fiquei imaginando de que forma as imagens de Antoine ou de Ackerman, são utilizadas, já que não são publicadas como ensaio autoral.

Agora, vou retirar o post do fotógrafo João Primo. Às vezes fico com a sensação de estar roubando uma imagem, isso não é legal.

vertigem disse...

pois é meg...a foto, mais especificamente o fotojornalismo e a imprensa estao vivendo um grande shift...uma mudança tao radical quanto a revoluçao industrial no seculo 19 !


é mesmo raro poder usar imagens de antoine e michael em pautas redacionais ! mas se o editor for bom, da sempre um jeito...esses carinhas fotografam temas universais : prostituiçao, violencia, sexo, cidades,gente anonima...ou produz com eles, portraits e reportagens....


a camera digital reduziu ainda mais o tempo de vida da foto; publica-se numa velocidade irresistivel, sem a certeza do fato, a noticia efemera...as vezes tenho medo de publicar algo que acabou de acontecer, sem ter tido tempo de verificar se aconteceu mesmo ! a fotografia nunca foi prova de nada......
a "guerra" na ossetie do sul...publiquei essa semana : sera que aconteceu ? o que foi mesmo que aconteceu ? putz....:((

Meg disse...

E de que forma realmente aconteceu.
Hoje o fotógrafo tem que ter a capacidade de resumir a notícia e mostrar algo que a televisão não mostrou ou que não consegue mostar, mas que não seja só um complemento, que possa revelar algo novo.

Já aconteceu de você publicar uma imagem e depois achar que não estava totalmente de acordo a matéria?

vertigem disse...

nao se trata da foto "nao estar de acordo com a matéria", mas sim de manipulaçao politica meg...o proprio fotografo pode "nao saber" o que està realmente fotografando...estou falando de guerras, atentados e coisas assim...bref, trabalhar com news é delicado, exige rigor, senao vc se transforma em mais um instrumento de manipulaçao

Meg disse...

Fiz uma pergunta de forma generalizada. Tudo bem, entendi.

vertigem disse...

2 exemplos atualissimos de ediçao "perigosa" esses dias : o flood de imagens de pekin e a invasao russa da georgia e da ossetie do sul !
tenho editado isso...ligadissima em algumas imagens de "propaganda" que conseguem "burlar" a vigilancia de editores das agencias !burlar ou simplesmente nao ser considerada imagem tendenciosa pelo mesmo editor, acontece ! fique atenta à essas imagens e verà incoerencia entre elas....
personne n'est à l'abri...:-(