sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Presença-ausência

"Pia Gilbert, nascida na Alemanha do Sul, entrou num taxi em Nova York. O motorista disse: Sou um muçulmano negro. Ela replicou: Lamento ouvi-lo. A senhora não crê na verdade? Isso não é verdade. A senhora não gosta dos negros? O que o faz pensar que eu não sou uma negra?" John Cage (De segunda a um ano, 1985).
"Se a fotografia não pode ser aprofundada, é por causa de sua força de evidência. Na imagem, o objeto se entrega em bloco e a vista está certa disso - ao contrário do texto ou de outras percepções que me dão o objeto de uma maneira vaga, discutível, e assim me incitam a desconfiar do que julgo ver. Essa certeza é soberana porque tenho o vagar de observar a fotografia com intensidade; mas também será inútil prolongar essa observação, ela não me ensina nada. É justamente nessa interrupção da interpretação que se encontra a certeza da Foto: esgoto-me em constatar que isso foi; para qualquer um que tenha uma foto na mão, está aí uma "crença fundamental", uma "Urdoxa", que não pode ser desfeita por nada, a não ser que me provem que essa imagem não é uma fotografia. Mas também, infelizmente, é na proporção de sua certeza que nada posso dizer dessa foto." Roland Barthes (A câmara clara, 1980).
Foto: © Bruce Davidson (Brooklyn, NY, 1959)

Um comentário:

Clara disse...

Meg,

mas que belo texto que nos ofereces. Vou informar-me mais sobre o livro. Talvez seja a próxima leitura.

Beijinhos