terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Retratos: Cartier-Bresson



"Qualquer pessoa pode ser fotografada, todo indivíduo é um retrato em potencial. O rosto do homem da rua pode ser bem mais estimulante do que uma personalidade. Questão de apetite visual, indispensável para que a Leica se erga nos ares e siga sua irresistível ascensão até a altura do olho. (...). O museu imaginário das melhores fotos de Cartier Bresson não seria uma galeria de retratos, mas sim uma galeria de acasos. Alguns encontros transformaram-se em face a face, mas na maior parte das vezes são retratos de perfil, pois os personagens de Cartier-Bresson raramente têm um olhar franco, reto, direto. Não podem ser fruto de uma cumplicidade circunstancial, já que têm a profunda marca da conivência. Os vestígios desses rostos têm uma alma. Não importa se, entre as centenas de milhares de espectadores do retrato, apenas alguns sejam sensíveis a esse segredo. (...)."
© Pierre Assouline (Cartier-Bresson O olhar do século, 2008)
Fotos: © Henri Cartier-Bresson (Balthus, 1990 / Alberto Giacometti, 1961 / Pierre Bonnard, 1951

2 comentários:

Clara disse...

Querida Meg,

o que se pode dizer depois deste post? Cartier-Bresson é, simplesmente, o Mestre dos mestres.


Beijinhos

olhodopombo disse...

o nota 100000000000000000000000000!