quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Art Kane e músicos

Verão de 1958, fim de tarde, em um trecho da estrada do deserto de Mojave, na Califórnia, Art Kane (1925-1995) fotografou Louis Armstrong (1901-1971) sentado numa antiga cadeira de balanço. O músico tocava "Old rocking chair", a canção que originou a composição da foto. "Não, Louis", disse Kane. "Coloque o trompete para baixo". Sua explicação: Kane estava cansado de ver fotos de Armstrong com o suor no rosto e com as bochechas infladas. "Tudo bem, homem", disse Louis. "Você é o artista". Alguns dias depois, Kane teve a ideia de fotografar a sepultura de Charlie Parker (1920-1955) e uma caixa do seu instrumento vazia, sugerindo que o espírito de Parker levara o sax para o céu. No pequeno cemitério, próximo do Estado do Kansas, um coveiro responde a pergunta de Kane: "Nunca ouvi falar. Procure ao seu redor". Kane acabou tropeçando na lápide e logo percebeu que as dimensões da pedra eram idênticas as da maleta. "De repente eu estava ali sozinho, e todo arrepiado". Para fotografar Lester Young (1909-1959), uma figura amarga, Kane retratou o saxofonista em um espelho com sua imagem distorcida, captando a ambiguidade da situação para afetar o resultado da foto. Mas com Frank Zappa (1940-1993) e os Mothers of Invention, o fotógrafo se deparou com um problema inteiramente diferente. A música sarcástica de Zappa na interpretação de Art Kane: "Quero fazer retratos de cada um de vocês com uma expressão de raiva, gritando, em seguida, vou ampliar em formato de pôster, fixá-los em frente à Casa Branca e fotografar os cartazes junto de manifestações exigindo o fim da guerra do Vietnã". A reação de Zappa: "Cara, essa foi a pior ideia que já ouvi em toda a minha vida". O fotógrafo, então, reuniu os músicos e crianças. A mensagem: paz e amor. Art Kane recusou sistematicamente engajar-se em qualquer polêmica a respeito do seu trabalho, exercendo profunda influência sobre os jovens fotógrafos.
Acho interessantes essas breves histórias, vou ao encontro delas como se entrasse em uma conversa.

Fotos: © Art Kane (Frank Zappa, Life, 1968 / Aretha Franklin, Esquire, 1967)
(John Poppy, Art Kane, The persuasive image: How a portraitist and story teller illuminates our changing culture, Alskog Book, 1975).Link: (http://artkane.com/).

4 comentários:

Nuno Sousa disse...

Eu acho que essas "pequenas" grandes histórias que estão por detraz das fotos são não só maravilhosas como também alavancas que potenciam e muito o valor e importância das fotos.
Hoje, com toda a tecnologia disponivel, fazer uma foto é fácil, mas fazer fotografia é mais complicado porque implica estas pequenas histórias e não apenas premir o botão e deixar que a máquina faça tudo o resto.

Nuno Sousa disse...

ah... e mais uma vez, parabéns pelo seu magnífico blog :)

Meg Rodrigues disse...

Muito obrigada, Nuno.
Eu acredito que nosso senso de conhecimento histórico tenha sido transformado pela fotografia. Então, saber alguma coisa, e tendo como referência as suas próprias experiências, isso realmente nos coloca uma grande responsabilidade diante de cada fotógrafo.

Carmen Troncoso disse...

Los artistas tienen su propio dialogo, me encantan tus relatos,