segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Equivalências

Em 1922, Alfred Stieglitz (1986-1946) fotografou uma série de nuvens, "Equivalências" (Equivalents). São fotografias de natureza abstrata que giram com autonomia no espaço, onde Stieglitz exclui do campo fotográfico qualquer indicação que vincule a imagem à terra. Podemos colocar as fotos de cabeça para baixo, virá-las em todas as posições. Sempre serão nuvens. O próprio Stieglitz utilizou essa polivalência espacial expondo ou publicando várias vezes as mesmas fotografias em orientações diferentes. Um fotógrafo que desejava transmitir o que via, a sua fotografia idéia.

4 comentários:

De La Silva disse...

Ótima explicação. Muito interessante.

Bj

Vicky disse...

Oi Mag, saudades das fotos e de você, claro.
Adorei a explicação...
Adoro observar nuvens... Vivem sobre nós cmo um segundo mundo.
Nuvens brancas que expandindo-se refletem desenhos... transmitindo ao observador uma sensação curiosa, em formas que se revelam como sonhos.
Nuvens negras crescem lá em cima, adensando-se, às vezes, em assustadores monumentos... castelos cinzentos... típicos de contos fantasmagóricos... ameaçadoras...
Depois, água aos chuás, que soam como aplausos ao bater nas janelas e nas calçadas. Apalausos da natureza aos nossos pesadelos.

Aplausos para você... Pela sencibilidade do blog.

Beijo,
Vicky.

Vicky disse...

Oi Mag,

É que eu, na pressa, comi o "o" do como...rs!!!

Beijo.

Meg disse...

Vicky e Luis,

Saudades de vocês!
Bjs