terça-feira, 14 de julho de 2009

A respeito da Impressão de realidade

"Antes do cinema, havia a fotografia. Entre todas as espécies de imagens, a fotografia era a mais rica em índices de realidade, a única, como conotava André Bazin, que nos dava moralmente a garantia absoluta de que os contornos gráficos eram fielmente respeitados, já que a sua representação fora alcançada através de um processo mecânico de duplicação; era assim, de certo modo, o próprio objeto que se imprimira a si mesmo na película virgem. Mas esse material tão semelhante ainda não o era suficientemente; faltava-lhe o tempo, faltava-lhe a sensação do movimento, comumente sentida como sinônimo de vida. O cinema trouxe tudo isto de uma vez só, e - suplemento inesperado - não é apenas uma reprodução qualquer, plausível, do movimento, que vimos aparecer, mas o próprio movimento com toda a sua realidade. Enfim, suprema inversão, são imagens aquelas mesmas da fotografia que foram animadas por um movimento tão real, que lhes conferiu um poder de convicção inédito, mas do qual só o imaginário se beneficiou, já que, apesar de tudo, tratava-se de imagens." Christian Metz (A significação no cinema, Tradução Jean-Claude Bernardet, Perspectiva, 1972).
Fotograma do filme Rear Window, Alfred Hitchcock, 1954

2 comentários:

Danielle disse...

Blog MARAVILHOSO! Estou tão feliz por encontrá-lo!

Bjos
Danielle
www.ofilmequeviontem.blogspot.com

Meg Rodrigues disse...

Obrigada, Danielle.
Foi uma surpresa muito legal conhecê-la. Já espiei os blogs e vou adorar aprender também para fora da fotografia. Gostei muito dos textos de que trata, e da maneira descontraída. Muito bom!

Beijos