terça-feira, 6 de julho de 2010

O retrato de Yuriy Norshteyn

"O ar de um rosto é indecomponível (na medida em que posso decompor, provo ou recuso, em suma duvido, desvio da Fotografia, que por natureza é inteiramente evidência: a evidência é o que não quer ser decomposto)." (A câmara clara: nota sobre a fotografia / Roland Barthes; tradução Júlio Castañon Guimarães. - Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984).
Parafraseando Barthes, o que vejo com obstinação são as dobras da camisa do Yuriy...
Foto: © Nikita Pavlov (Yuriy Borisovich Norshteyn, 2005)
Link: http://www.nikitapavlov.com/

2 comentários:

Giuliano Quase disse...

Meg, o que eu vejo com obstinação é a verruga no nariz!

um forte abraço

Meg Rodrigues disse...

Giuliano,
"O cisco no teu olho é a melhor lente de aumento."

Beijos