quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Uma fotografia de Salvador Allende

Toda fotografia conta uma história. "O socialista Salvador Allende (1908-1973) foi eleito presidente em 1970, teve seu governo desestabilizado e, em 1973, foi derrubado por um golpe militar fortemente apoiado, talvez mesmo organizado, pelos EUA." (Eric Hobsbawm). Em um artigo no jornal La Nación sobre a fotografia de Allende, talvez o segredo do fotógrafo chileno Luis Orlando Lagos Vásquez (1913-2007). Há uma versão de que o New York Times teria comprado seis fotos por 12 mil dólares, comprometendo-se a não revelar seu nome até o dia de sua morte. No arquivo da Fundação Salvador Allende, a foto permanece de autor desconhecido, e contesta o Prêmio World Press Photo ao fotógrafo Orlando Lagos, por ser considerada "a última fotografia de Allende", em 11 de setembro de 1973. A Fundação acredita que a imagem corresponde ao dia 29 de junho, quando da tentativa de golpe militar conhecido como "El Tanquetazo". Mas aí está. Allende e membros do GAP olham para o céu. Ao mesmo tempo, um outro dado da história, no site da FSA, o fotógrafo argentino Horacio Villalobos encarregado pela revista Time de fotografar a última aparição de Allende em La Moneda. Orlando Lagos, fotógrafo pessoal de Allende desde 1970, viveu de maneira humilde, mas em segurança, num asilo de idosos na Venezuela. Jamais confirmou em público ter feito a fotografia, e nunca reivindicou ou recebeu o suposto pagamento dos dólares. Segundo Boris Kossoy, "No esforço de interpretação das imagens únicas haverá sempre um intrigante dado: sua ambiguidade". Foto: autor desconhecido (Presidente Salvador Allende, Chile,1973). Link  (Fundación Salvador Allende )

4 comentários:

Giuliano Quase disse...

Sempre visitando, Meg.

Pra lembrar o onze de setembro. não o das torres.

um forte abraço

Meg Rodrigues disse...

Obrigada, Giuliano.

Beijos

Claudio Versiani disse...

Oi Meg,
legal essa nota. Essa foto é genial e a história tbm.
Qdo puder, leia "A sombra do ditador", de Heraldo Muñoz. Acho que saiu recentemente no Brasil. É muito bom! E muito triste.
Felizmente o mundo evolui.
Bjo.

Meg Rodrigues disse...

Um flagrante histórico e a instigante ligação do fotógrafo, na qual o povo chileno busca revelar todo o processo, eliminando o intermediário estrangeiro.
Versiani, sua fotografia do Presidente Figueiredo ao lado de Pinochet é que é genial. O tema da foto por si incomoda, mas aquela "boca murcha" é um instante macabro!
Obrigada pela visita e a sugestão de livro, ambas valiosas.
Beijo