segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Annie Leibovitz: American music

Em American music (Random House, 2003), já à primeira vista, um cuidadoso trabalho de pesquisa e de produção da fotógrafa Annie Leibovitz. Na foto de capa, o toca- discos de Elvis Presley com o vinil que costumava ouvir em seu quarto: uma cópia especial do The Stamps Quartet, grupo de música gospel que teve forte influência sobre Presley. Para este projeto, Leibovitz viajou por todo o país (entre 1999 e 2001) reunindo uma coleção de retratos dos mais renomados músicos como Miles Davis, Etta James, Bruce Springsteen, Bob Dylan, entre outros. Em Louisiana, ao longo do Delta do Mississippi, Leibovitz fotografou a casa onde funcionava o bar Po’ Monkey’s, local de encontro dos trabalhadores rurais dos campos algodão. Nas noites de quinta-feira eles frequentavam o local para beber e dançar ao som de uma jukebox o blues de B.B. King, Howlin’ Wolf e Sonny Boy Williamson. O Po’ Monkey’s, fundado por William Seaberry em 1961, está entre os locais lendários da história recente da música americana. A concorrência com cassinos fluviais, legalizados pelo governo nos anos de 1990, acelerou sua decadência. American music inclui texto por Patti Smith sobre a transformação social e política através de poetas e músicos, citando artistas como Woody Guthrie, Pete Seeger, Nina Simone, Joan Baez e Phil Ochs. Com American music, o retorno ao tema do início de sua carreira, quando, nos anos de 1970, Annie Leibovitz fotografou grupos de rock para a revista Rolling Stones: "Trago minha experiência para o livro."


Fotos: © Annie Leibovitz (Cover, Graceland / Po'Monkey's / Robert Earl Keen e Lyle Lovett / reproduções photo-eye)

3 comentários:

Anônimo disse...

Interessant Meg!
A srtª Leibovitz faz retratos a muitos anos, seu trabalho continua moderno e "definitivo"...
Genial, mas não é nem uma pouco simpatica! Fazer o que né???
Moizes

Meg Rodrigues disse...

É, talvez você tenha razão no que diz respeito à antipatia, mas esqueça por um momento a chata Leibovitz e assista ao documentário "Life through a lens" (A vida através das lentes). Muito bom, uma ocasião pra um olhar diferente.

Moizes, e as histórias dos bastidores de suas fotografias? Adoro ouvir um "causo".

Beijo

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Tão bom quanto assistir a grandes filmes é ler sobre eles. É uma experiência complementar bastante enriquecedora.
Parabéns pelo blog. Apareça no meu. Aguardo você.

www.ofalcaomaltes.blogspot.com