terça-feira, 7 de outubro de 2014

Josef Koudelka: Black Triangle



Black Triangle, livro de fotografias panorâmicas de Josef Koudelka, produzidas entre 1991 e 1993, no sul da Saxônia, Alemanha, Baixa Silésia, Polônia e Boêmia do Norte, República Checa, região de mineração de carvão a céu aberto, cujos efeitos óticos são devidos à extrema densidade da poluição tóxica da atmosfera e de exploração florestal, mais de 50 por cento das florestas de coníferas foram destruídas entre 1972 e 1989. 
Koudelka fez suas primeiras fotografias panorâmicas em 1958. Mais tarde na década de 1980, aceitou participar do projeto DATAR, uma organização do governo francês, quando soube que eles tinham uma câmera panorâmica. Viajou para a Bretanha e Normandia, fez fotos em Paris, mas foi somente em Lorena, onde a reestruturação da indústria siderúrgica estava trazendo grandes mudanças para a região, Koudelka percebeu que era essa precisamente a paisagem que mais lhe interessava, observando o impacto da intervenção do homem no meio ambiente. Black Triangle, é claro, tem características que o separam de uma narrativa sobre questões ambientais. A maioria das pessoas considera esta paisagem devastada terrível. Mas, para mim, não é a paisagem que é terrível, o que é espantoso é a destruição. A destruição que fez com que a magnífica paisagem da Boêmia, formada ao longo de séculos, agora não existe mais: Acho que é trágico, mas belo. Horrivelmente belo, diz ele.
Koudelka realmente apaixonou-se pela paisagem, ou seja, que ele não teria fotografado, e ele não teria voltado várias e várias vezes para a mesma região: "Após a sua destruição, a terra lentamente renova o seu ciclo e a vida recomeça. A natureza encontra um novo equilíbrio, cria uma nova paisagem. Diferente da anterior, que agora está irremediavelmente destruída, mas em alguns casos muito interessantes. Nesse cenário, você pode ver o quão forte é a natureza. Que é mais forte que o homem." 
Koudelka fotografou ciganos na Eslováquia e na Romênia. Em 1968, documentou a ocupação soviética de Praga. Incapaz de trabalhar com liberdade na Tchecoslováquia, o fotógrafo buscou asilo político na Grã-Bretanha em 1970. "Eu sei quem eu sou. Eu não faço o que faço para alguém gostar de mim, ou para provar algo para alguém, ou para ser o melhor. Eu faço isso por mim, para minha própria satisfação. Eu quero encontrar os meus limites, para ver até onde posso ir. O máximo, que é o que sempre me interessou - o máximo de mim e o máximo dos outros."


video

Fotos: © Josef Koudelka / Magnum Photos ( Black Triangle, Vesmir, Praga, 1994 / Magnum Stories, Phaidon, 2004) 
Um postal para o amigo Nuno Sousa.

Nenhum comentário: