sábado, 6 de dezembro de 2014

Graham Smith


Graham Smith (1947) usou uma câmera de grande formato quando começou a fotografar familiares, amigos, paisagens e comunidades operárias e indústrias pesadas em torno de sua cidade natal, Middlesbrough, na costa nordeste da Inglaterra. Motivado por uma profunda convicção pessoal e política, Smith produziu fotos como Thirty eight bastard years on the furnace front. Mess room for number 4 and number 5 furnaces (Trinta e oito anos desgraçados na frente da fornalha número 4 e número 5), retrata um homem - fatigado sem saber onde foram parar os anos - no refeitório de uma fundição de aço. Muitas vezes as fotografias de Smith eram uma resposta íntima a pubs específicos que ele frequentou por muitos anos, os quais, para alguns, funcionavam como centros comunitários ou locais de refúgio de situações desesperadoras. Nos anos 80, Margaret Thatcher (primeira-ministra britânica de 1979 a 1990), recorre a políticas ditas neoliberais: a intervenção do Estado na vida econômica é limitada para deixar espaço à livre concorrência. Essas políticas provocam grandes mudanças e movimentos de greve, especialmente na Grã-Bretanha. Membro de uma família com quatro gerações de trabalhadores na metalurgia e siderurgia, as demissões em massa e o declínio das atividades industriais tiveram nítidos efeitos sobre a sua produção fotográfica.
Graham Smith e Christopher Killip exibiram suas fotografias na exposição conjunta "Another Country" na Serpentine Gallery, em Londres, em 1985. Incomodado com as críticas da imprensa às suas fotos, Smith deixou de fotografar em 1990 e desde então raramente exibiu ou publicou seus trabalhos.
Suas fotografias encontram-se representadas nas coleções permanentes do Museum of Modern Art, Victoria and Albert Museum, Rose Gallery e Eric Franck Fine Art.
Foto: © Graham Smith (Thirty eight bastard years on the furnace front. Mess room for number 4 and number 5 furnaces. Clay Lane, South Bank, Middlesbrough, 1983 / Tudo sobre Fotografia, editor geral Julliet Hacking. Tradução Fabiano Morais, Fernanda Abreu e Ivo Korytowski, Sextante, 2012)


Foto original (reprodução em baixa resolução), sem corte na lateral à direita, link Eric Franck Fine Art.

Um comentário:

Meg Rodrigues disse...

Campanha visual em apoio às vítimas de Ayotzinapa:

http://www.visualaction.org

via: Jornal da Fotografia, por Celso Bessa.